14
Fri, Dec

A LENDA DO HOMEM CARANGUEJO

Em um rancho com paredes e teto palhas de palmeira, lá pras bandas do Porto do Braga, no Município e Raposa – MA. Residia um solitário catador de caranguejos, de aparência e gestos bem serenos, de fala mansa e um jeito bem diferenciado em seu caminhar.

Que gostava de usar um chapéu de palha e pitar um cigarrinho de fumo caipora. Era considerado o melhor catador de caranguejos do pedaço. Só que ninguém entendia por que mesmo nos períodos mais difíceis de si encontrar o desejado crustáceo.

Ele sempre tinha em bastante quantidade para vender e seus caranguejos sempre eram os maiores da espécie. Algumas pessoas diziam que nas noites de sexta-feira, por volta da meia noite, ele saia em direção ao manguezal com alguns côfos de palha na mão, tirava sua roupa e depois de um ritual, retirava sua cabeça e a colocava em cima de um tronco de siribeira e a cobria com seu chapéu de palha.

Transformando-se em seguida em um enorme caranguejo. Depois atravessava o canal e entrava no manguezal. E bem antes que o dia amanhecesse, retornava para as margens do igarapé, transformando-se novamente em humano e retornava para o seu rancho com seus côfos cheios de caranguejos.

Certo dia, um outro catador que não conseguia capturar nenhum caranguejo, resolveu segui-lo, para averiguar a sua mandinga e então descobriu o grande mistério do homem caranguejo. E após o ritual de transformação, e desaparecer no mangue para catar caranguejos.

O invejoso catador pegou a cabeça do homem caranguejo de cima do tronco da siribeira e enterrou em local desconhecido. Não permitindo que desta forma seu colega de profissão voltasse a ser humano novamente. Há quem diga que nas madrugadas de sexta-feira, nos igarapés próximos ao Porto do Braga, alguns pescadores já viram o enorme caranguejo vagando pela margem, a procura de sua cabeça.