19
Fri, Oct

A LENDA DE NEGO CIPÓ

Num final de tarde em uma humilde casa de palha, lá pras bandas do Porto do Bimba, no município de Raposa – MA. Uma mulher grávida do seu primeiro filho, conta ao seu esposo que era pescador, que estava desejando comer tainha moqueada.

Ele disse-lhe que ela estava com história, e ela falou pra ele que não gostaria que seu filho nascesse com cara de peixe. E insiste que ele tem providenciar o bendito peixe, e naquela hora. E mesmo cansado, depois de passar o dia inteiro remendando suas redes de pesca.

O marido meio chateado, depois de tanto ouvir a esposa lhe falar do desejo. Disse a ela que iria tarrafear no igarapé do negão, pra tentar pegar as benditas tainhas cobiçadas pela esposa. Pega uma tarrafa e um pequeno côfo de palha, e parte para a pescaria reclamando e resmungando em alto e bom tom.

Mas, antes, passa numa vendinha, toma uma dose de pinga e conta o que vai fazer aos amigos. Depois da aporrinhação dos colegas, segue para o igarapé praguejando a torto e a direito.

Ao entrar no manguezal que dava acesso ao tal igarapé, tropeça em um toco e cai de cara na lama. E aí então aumentam cada vez mais os xingamentos.

E para completar sua forçada pescaria, uma nuvem de maruins, mutucas e muriçocas, despencam sobre seu corpo, o deixando cada vez mais puto da vida. Irritado com aquela situação, ele começar a falar palavrões e xingar todas as espécies de insetos que o atacavam.

De repente, pra completar sua saga, leva uma cipoada nas costas, que lhe tira do sério e o faz gemer de dor. Olha para um lado e para o outro, e como a noite já se aproximava, não conseguia enxergar nada.

Aumentando cada vez mais seu ódio diante daquela situação. E quanto mais xingava, mais lapadas de cipó levava em suas costas. Resolveu então sair correndo na direção de casa, e recebendo várias cipoadas, quando ouve uma voz dizendo. Mais respeito com os bichos do mangue seu moço, quem está te surrando aqui é o Nego Cipó.

Ao chegando conta a história para sua esposa, que com muita dó do marido, foi lavar com água e sal os ferimentos da surra que o marido levou.