14
Fri, Dec

No sábado dia 15, a prefeitura de Raposa por meio da secretaria municipal Cultura realizou o II Fórum Municipal de Cultura, que elegeu delegados e suplentes para representar o município na Assembleia Geral da Eleição do Conselho Estadual de Cultura do Maranhão.

O secretário Oliveira agradeceu o apoio e explicou que o Fórum também tem diversas finalidades. “O Fórum Municipal de Cultura é, antes de mais nada, um espaço de articulação, intervenção, troca de experiências e debates, buscando construir alternativas para as políticas culturais do município, envolvendo a sociedade local e outras instâncias de governo (estadual e municipal). Seu fundamento é o direito à participação cultural dos cidadãos, entendida de forma ampla, respeitando à diversidade cultural.” Disse.

Na ocasião, foram eleitos os três delegados titulares e seus respectivos suplentes que irão representar Raposa na etapa estadual. As representações foram escolhidas dentre os segmentos de livro, leitura e literatura; Música e Culturas Populares.

O evento realizado na escola Santo Antônio, bairro do Itapéua, contou com a participação de vereadores, secretários, populares e lideranças ligadas à cultura.

Com o tema “Garantia dos Direitos no Fortalecimento do SUAS”, a prefeitura de Raposa realizou entre os dias 13 e 14 de julho a V Conferência Municipal de Assistência Social. O evento contou com a participação da prefeita Talita Laci (PCdoB) e de dezenas de pessoas que lotaram a Club Estrela, no bairro do Inhaúma. Além de vereadores, usuários, sociedade civil, servidores e conselhos tutelares também estiveram presentes.

Durante a cerimonia, a Secretária Nádia Oliveira destacou que o objetivo central é analisar, avaliar e deliberar as diretrizes para o financiamento e a gestão com vistas ao aprimoramento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS).

“A Conferência é um espaço de debate coletivo, onde governo e sociedade civil organizada têm a oportunidade de participar, discutir e avaliar a política pública, sendo parte de um amplo processo de diálogo e democratização da gestão pública, com a finalidade de definir as prioridades de ações para os próximos anos reconhecendo as responsabilidades de cada ente federado.” Explicou Nádia.

Por sua vez, a prefeita Talita Laci se mostrou entusiasmada com o trabalho realizado pela secretaria de Assistência Social. “Parabéns a todas as pessoas envolvidas neste evento. Este é um momento oportuno para a população raposense identificar o caminho que a Assistência Social traçou no município, seus avanços e desafios, tendo em vista o atual estágio de desenvolvimento da política”, salientou a gestora.

Após a leitura do Regimento Interno e explanações das autoridades, os participantes se dividiram em grupos para discutirem eixos temáticos. A conferência também elegeu os delegados para a Conferência Estadual de Assistência Social.

Com o objetivo a integrar e divertir, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), por meio da Secretaria Municipal de Saúde realizou na nesta quarta-feira (21), uma belíssima festa junina para os pacientes atendidos pelo órgão.

O evento que contou com um bazar solidário, foi prestigiando por populares, secretários e funcionários.

Como parte da programação, houve apresentação de danças, a exemplo da quadrilha sertaneja dos pacientes, competição de forró e a escolha do casal que mais se destacou no arraial.

O CAPS é um centro de reabilitação de pacientes com transtornos mentais, e o Arraiá faz parte dos projetos terapêuticos desenvolvidos pela instituição veiculada ao poder público, em Raposa liderada pelo Fisioterapeuta Rafhael Lutifi.

“A intenção do arraiá é garantir mais integração e inclusão social entre essas pessoas e sociedade.” Afirmou o diretor do Caps.

A prefeitura de Raposa e o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil do Maranhão – FEPETMA promoveram na manhã desta quarta-feira (21) no CIMAR – Porto do Braga, uma oficina de capacitação que tratou de trabalho infantil e exploração sexual.

A oficina que teve como palestrante Poliana Mendes Coordenação do FEPETMA, que abordou estratégia para a erradicação das piores formas de trabalho infantil no município, além da importância da denúncia contra a exploração sexual infantil.

O evento foi voltado para integrantes de Conselhos Tutelares, assistentes sociais, representantes de entidades e profissionais dos órgãos municipais e estaduais que atuam no sistema combate à exploração e trabalho sexual infantil na cidade

A prefeita de Raposa, Talita Laci (PCdoB) fez se acompanhada do diretor do CAPS no município, Rafael Lutifi, para assinar o termo de compromisso que garante recursos para a otimização dos serviços prestados pelos Centros de Atenção Psicossocial.


A iniciativa do Governo do Maranhão visa corrigir mais um grave erro ocorrido na gestão da saúde no passado, Há cinco anos esse município não recebe repasse, que estão sendo retomados a partir deste termo de compromisso.


Em solenidade no Palácio dos Leões, nesta terça-feira (20), o governador Flávio Dino garantiu o aporte de R$ 2,2 milhões anual para a cidade, corrigindo a distorção ocorrida em 2012 e reforçando a ação estadual de fortalecimento da gestão integrada em saúde mental. A retomada do repasse foi aprovada pela Comissão Intergestora Bipartite (CIB) em maio de 2017. O valor global do investimento, será de R$ 2.226.682,88, repassados pelo Ministério da Saúde.


O governador Flávio Dino explicou que “nós estamos implementando saídas necessariamente progressivas e que vão produzindo a correção de rumos em relação aos equívocos cometidos antes. Algumas coisas podem ser reparadas, outras nós vamos levar décadas para corrigir”. Ele enfatizou que não há respostas demagógicas para a temática das drogas. “Questão é social em primeiro lugar, não se resolve apenas com polícia. Por isso que é importante que nós tenhamos essa rede. Juntos nós continuamos a disposição dos municípios”, completou.


A partir do reforço garantido pelo Governo do Estado, o cuidado das pessoas com transtorno mental poderá ser aperfeiçoado e melhor executado. A medida permite a oferta de ações de atenção integral em saúde mental, álcool e outras drogas, a garantia da continuidade da assistência em saúde mental no território do usuário e do fornecimento da medicação necessária aos usuários do serviço.